Coordenadora de Enfermagem do IOS fala sobre Quimioterapia

Rosângela do Vale Falleiros (foto), coordenadora de Enfermagem em Quimioterapia do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS) "Dr. Gilson Delgado" explica em entrevista exclusiva ao site do IOS o que é quimioterapia, como funciona uma aplicação e os efeitos colaterais que o tratamento pode causar. Acompanhe.

SONY DSC

 

O que é Quimioterapia?

Quimioterapia antineoplásica consiste no emprego de substâncias químicas com o objetivo de tratar neoplasias malignas. Utilizada inicialmente nos Estados Unidos em 1943, tornou-se praticada mundialmente, passando por grandes avanços.  Com novas drogas incorporadas ao arsenal terapêutico tem se mostrado uma das mais importantes maneiras de combate ao câncer.

Como é realizada uma aplicação de Quimioterapia?

A Quimioterapia pode ser realizada em hospitais, unidades ambulatoriais ou clínicas especializadas (como o IOS). Para definir se o tratamento será ambulatorial ou hospitalar deve-se considerar: condição clínica do paciente, protocolo indicado – tempo de infusão, toxicidade específica, aspectos econômicos e disponibilidade de rede especializada (tanto hospitalar quanto ambulatorial). Dado a complexidade da especialidade, é importante conhecer o local onde será realizada a aplicação e se atende às exigências da Vigilância Sanitária, bem como a licença de funcionamento do local.

Como as medicações antineoplásicas podem ser administradas?

Elas podem ser administradas através de diferentes vias, como: oral, intramuscular, subcutânea, endovenosa, intra-arterial, intrapleural, intracavitária, intraperitoneal, intravesical e tópica. O tratamento indicado ao paciente pode ter uma ou mais vias de administração. Cada caso é um caso. A administração endovenosa (através da veia) é uma das mais utilizadas. Ela pode ser feita através de veias dos membros superiores (braço e antebraço) ou de um dispositivo chamado “Port-a Cath” – implantando abaixo da pele que torna a administração dos quimioterápicos mais segura, dependendo da condição vascular do paciente.

Quanto tempo leva para administrar um Quimioterápico?

O tempo que leva para administrar um Quimioterápico varia desde poucos minutos a várias horas contínuas, podendo os mesmos estarem preparados em seringas acopladas à agulhas ou diluídos em bolsas de soro ou em infusores de longa permanência.

A Quimioterapia pode causar efeitos colaterais? Quais?

Quando se fala em Quimioterapia, para a maioria das pessoas, imediatamente se remete aos efeitos colaterais (toxicidades). Nesse momento o que deve ser focado são os benefícios da Quimioterapia como opção de tratamento do câncer. Muito se tem avançado quanto ao controle dos efeitos colaterais, tanto em relação ao Quimioterápicos quanto aos medicamentos utilizados concomitantes a eles.

A alopecia (queda de cabelo) é o efeito colateral mais temido, também erroneamente interpretado, pois a maioria das pessoas acreditam que todos os tratamentos quimioterápicos levam a queda do cabelo. A alopecia durante a quimioterapia está intimamente relacionada ao tipo de câncer, droga e dosagem adotada.

Apesar dos efeitos colaterais da quimioterapia estarem relacionados diretamente com as drogas utilizadas, nem todas as pessoas experimentar de maneira igual, portanto, sempre devem ser relatados a equipe que acompanha para que sejam sanados ou minimizados.

Os efeitos colaterais encontrados com maior frequência são: fadiga, náusea, vômito, alopécia, mucosite, diarreia, constipação e alteração no apetite e paladar.