DIA MUNDIAL DO COMBATE AO CÂNCER: Especialistas alertam para relação excesso de peso x câncer

DIA MUNDIAL DO COMBATE AO CÂNCER

Especialistas alertam para relação excesso de peso x câncer

  • Estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo revelou que a obesidade influencia em 3,8% dos diagnósticos de câncer.

A cada cinco brasileiros, um está acima do peso. De acordo com o Ministério da Saúde, nos últimos dez anos, a obesidade no Brasil aumentou 60%, passando de 11,8% para 18,9% da população.  Pressão alta, colesterol, diabetes e doenças cardíacas são alguns dos problemas típicos relacionados ao excesso de gordura, mas, nos últimos estudos realizados, a relação da obesidade com outra doença chamou a atenção da classe médica: o câncer. Por isso, no Dia Mundial do Combate ao Câncer, lembrado em 8/04, o assunto merece destaque, quando se busca a prevenção.

Para Dra. Gabriela Filgueiras Sales, médica oncologista clínica e especialista em cuidados paliativos do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), está comprovado que, na maioria dos casos de câncer, a interferência genética é mínima, mas os fatores externos acabam sendo determinantes para o desenvolvimento da doença. “O que observamos é que o câncer, geralmente, não surge de repente, é um processo contínuo. Muitas vezes, o paciente já tem outros problemas de saúde e o tumor acaba sendo o ápice de todos eles. Sabemos que a obesidade é responsável por processos inflamatórios e alterações hormonais, ambos fatores presentes em pacientes com câncer”, pontua. Pesquisa feita pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) mostrou que o Brasil terá 29 mil casos de câncer relacionados à obesidade em 2025. Atualmente, o excesso de peso está relacionado a 3,8% de todos os diagnósticos oncológicos, sendo que, daqui a sete anos, serão 4,6%.

No ano passado, o Inca (Instituto Nacional do Câncer) também lançou um documento, posicionando-se em relação ao papel do sobrepeso no desenvolvimento de treze tipos de câncer, sendo eles de: mama, endométrio, rim, fígado, próstata, bexiga, esôfago, estômago, útero, tireoide, colorretal, pâncreas e ovário. A conclusão foi publicada, após a Agência Internacional para Pesquisa do Câncer e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos analisarem mais de mil estudos. Outro ponto importante é a observação da incidência desses cânceres em jovens com sobrepeso. O que esse documento quer dizer é que, quanto mais pesada a pessoa estiver, maior a probabilidade de desenvolver um desses cânceres, muitas vezes, fatais. Daí, a necessidade de controle do peso. “Quando falamos em combate ao câncer, devemos saber que não existem alimentos que previnam o câncer, mas uma alimentação saudável ajuda a proteger do câncer”, frisa a especialista do IOS.

 

A prevenção começa no prato

O ditado diz que “beleza não se põe à mesa”, porém, que um prato colorido, repleto de verduras e legumes, faz toda a diferença na manutenção da saúde, isso faz! Uma alimentação equilibrada e saudável previne uma série de processos relacionados ao surgimento do câncer, dentre eles a inflamação dos tecidos, além de ajudar no controle do peso. Por isso, pesquisadores têm incentivado médicos a controlar o IMC (Índice de Massa Corporal) dos pacientes e conscientizá-los em relação aos perigos da obesidade.

“A prevenção do câncer começa na infância, desde o nascimento o aleitamento materno é primeira ação de alimentação saudável. A amamentação até os dois anos ou mais, sendo exclusiva até os seis meses de vida, protege as mães contra o câncer de mama e as crianças contra a obesidade infantil. E, após a introdução de alimentos, sempre preferir produtos não industrializados. Esse cuidado não garante que a pessoa não terá câncer no futuro, mas ajuda a diminuir muito os riscos. Está na lista de coisas que podemos fazer”, destaca Dr. Gabriela.