Outubro Rosa: prevenção e diagnóstico precoce aumentam as chances de cura do câncer de mama em até 90%

 

  • Médica especialista do Instituto de Oncologia de Sorocaba orienta a prática de exercícios físicos e a manutenção de dieta equilibrada, como medidas preventivas; aprenda a fazer o AUTOEXAME!

Tornou-se comum ver laços cor-de-rosa presos nas roupas de homens e mulheres, durante o mês de outubro, como gesto de divulgação da campanha de prevenção do câncer de mama. No entanto, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), ligado ao Ministério da Saúde, estima que 2019 feche com 59,7 mil novos casos da doença.

Dra. Letícia de Andrade Nader, oncologista clínica e especialista em cuidados paliativos do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), explica que a prevenção e o diagnóstico precoce são o principal foco do Outubro Rosa, porque um tratamento bem orientado pode atingir índices de até 90% de cura. Já, quando o diagnóstico é tardio, o índice de cura pode cair até zero, com a doença levando à morte.

O câncer de mama é a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. Ainda segundo o INCA, a doença representa 29,5% dos cânceres em mulheres. Para a prevenção, a médica especialista do IOS indica a prática de exercícios físicos e uma dieta saudável e nutritiva, com redução de gorduras e açúcares. Já, o sedentarismo, a obesidade, o uso excessivo de álcool e terapia de reposição hormonal podem ser fatores de risco.

Dra. Letícia explica que a detecção da doença acontece por meio do autoexame, que encontra tumores superficiais e palpáveis, além da mamografia, que analisa toda a extensão da mama e localiza nódulos menores, profundos e calcificações. O surgimento do nódulo pode ser indolor, rígido e irregular ou, ainda, de consistência branda, globoso e bem definido.

A médica ressalta que a mamografia é obrigatória para mulheres acima de 50 anos, mas quem tem histórico familiar (um ou mais parentes de primeiro grau) de câncer de mama tem risco aumentado de desenvolver a doença e deve realizar o exame a partir dos 35 anos. Além disso, as mulheres devem ir periodicamente ao médico ginecologista para acompanhar a saúde.

Como fazer o autoexame?

A partir dos 20 anos, a apalpação da mama deve ser feita mensalmente, sempre no mesmo dia do mês. Mulheres que menstruam devem realizar o autoexame cinco dias após o fim do ciclo e quem ainda não deve escolher um dia no mês.

O exame pode ser feito com a mulher em pé ou deitada. Ela levanta o braço e apalpa toda a mama e debaixo das axilas, dos dois lados. “Se tiver alguma dúvida ou achar algo diferente, procure seu ginecologista. Cada mulher conhece o que é normal em seu corpo e quais as alterações consideradas suspeitas. Isso é fundamental para a detecção precoce da doença”, orienta Dra. Letícia.

 

Tratamento

A médica explica que uma equipe multidisciplinar é fundamental para tratar o câncer de mama. Envolvem-se as áreas de oncologia; clínica e cirúrgica; radioterapia; nutrição; cirurgia plástica; fisioterapia, pelos riscos de problemas com a movimentação dos braços; e psicologia, para acompanhar a autoestima e saúde mental e emocional da mulher.

Depois do diagnóstico, os médicos definem a linha terapêutica, de acordo com o estágio da doença e o caso específico do paciente, sendo possível:

  • Quimioterapia, hormonioterapia e/ou terapia-alvo molecular;
  • Cirurgia radical (toda a mama é retirada) ou conservadora (uma parte da mama é retirada);

O tratamento ainda pode tentar eliminar possíveis micrometástases, que são células que se desprendem do tumor da mama para outros lugares do corpo ou, ainda, reduzir o tamanho do tumor para facilitar a realização da cirurgia.

Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.oncologiasorocaba.com.br. O Instituto de Oncologia de Sorocaba está localizado no Centro de Medicina e Saúde, que fica na Av. Comendador Pereira Inácio, 950, Térreo, Jd. Vergueiro, telefone: (15) 3334-3434.