Skip to content

Alternativa para o tratamento do câncer tem bons resultados e efeito mais brando que a quimioterapia

Terapia-alvo mira as proteínas específicas da célula maligna, reduzindo sua capacidade de expansão e os danos provocados; o resultado é um efeito colateral mais tolerável.

Uma das enfermidades mais comuns atualmente, muito em função do envelhecimento da população, o câncer figura ao lado de doenças, como: a cardíaca, o diabetes, AVC (acidente vascular cerebral) e doenças pulmonares obstrutivas crônicas. Todas essas são os principais problemas de saúde pública do mundo e as maiores causas de morte no Brasil.

A mais recente estimativa mundial, da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC – sigla em inglês), de fevereiro de 2021, aponta que ocorreram 19 milhões de casos de câncer em todo o mundo, com 10 milhões de mortes, sendo que mais de 60% dos casos se concentram nos 10 tipos mais frequentes (ver quadro), responsáveis por 70% dos óbitos. Em termos de prevalência nos últimos cinco anos, mais de 50 milhões de pessoas estão vivendo com câncer em todo o mundo.

Diante desse quadro sério, a boa notícia é sobre uma alternativa de tratamento que surgiu, anos atrás, para tratar alguns tipos de câncer de mama e que vem sendo alvo cada vez mais frequente de grandes pesquisas clínicas por apresentar bons resultados e por ser mais branda que a quimioterapia.

 

“A Terapia-Alvo, ou Terapia Alvo-Molecular, como também é chamada, é uma terapia mais precisa, que utiliza drogas para combater especificamente as células cancerígenas, tendo como objetivo atingir as células, genes e/ou proteínas que contribuem para o crescimento tumoral. Como consequência da sua atuação, provoca pouco dano às células normais”, explica a médica oncologista do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), Dra. Luciana Buttros.

 

A especialista explica ainda que, para melhor compreendê-la, precisamos lembrar que dentre as possibilidades do surgimento do câncer está a mutação gênica, resultado de uma alteração do ciclo celular e que favorece o desenvolvimento ou crescimento tumoral.

Com esse conhecimento, cientistas desenvolveram medicamentos que bloqueiem essas mutações e, consequentemente, ajudam na destruição especificamente das células cancerígenas, diminuindo a ação deletéria em células normais. Embora a ideia de um medicamento alvo para um tumor pareça óbvia, essa abordagem é complexa e nem sempre eficaz.

 

“O paciente precisa se submeter a uma série de exames para identificar o tipo de tumor e as características individuais da pessoa. Somente após avaliar esses parâmetros, o profissional poderá prescrever a terapia-alvo via oral (comprimidos) ou injetável (intravenosa), sempre com o objetivo de impedir o avanço da doença”, complementa a especialista.

 

Atualmente, o tratamento vem sendo indicado para alguns tipos de câncer, como o de pele, o mais mortal de todos, de mama, colorretal, de pulmão, ovários, rins, leucemia, de tireoide e fígado. Um ótimo avanço para milhões de pessoas que sofrem com essa doença, já que boa parte desses está entre os 10 tipos de câncer mais comuns no país.

 

QUADRO

 

10 TIPOS DE CÂNCER MAIS COMUNS NO BRASIL

  1. Câncer de pele
  2. Câncer de mama
  3. Câncer de próstata
  4. Câncer colorretal
  5. Câncer de pulmão
  6. Câncer de estômago
  7. Câncer de colo de útero
  8. Câncer de cavidade oral
  9. Câncer do Sistema Nervoso Central
  10. Câncer do esôfago

 

Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.oncologiasorocaba.com.br ou nas redes sociais: Instagram (@institutooncologiaios) e Facebook (Instituto de Oncologia de Sorocaba “Dr. Gilson Delgado”). O Instituto de Oncologia de Sorocaba está localizado no Centro de Medicina e Saúde, que fica na Av. Comendador Pereira Inácio, 950, Térreo, Jd. Vergueiro, telefone: (15) 3334-3434.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Preencha o formulário abaixo e nossa equipe irá entrar em contato com você!