Skip to content

Ejacular mais diminui o risco de câncer de próstata, aponta estudo

O estudo sobre a ejaculação e o risco de câncer de próstata que fez muito barulho na reunião anual da American Urological Association (AUA) no ano passado, foi publicado online em 29 de março no periódico European Urology.

No artigo estão os detalhes da principal descoberta: que os homens podem reduzir seu risco de câncer de próstata se ejacularem com frequência.

“Este grande estudo prospectivo fornece as mais sólidas evidências até hoje coletadas sobre as vantagens da ejaculação para a prevenção do câncer de próstata”, escreveram os pesquisadores sob a batuta de Jennifer Rider, epidemiologista na área de oncologia da Boston University School of Public Health.

Todavia, outra especialista jogou um balde de água fria na possibilidade de tirar alguma conclusão sólida.

“Associação não significa causalidade, temos que ter cautela na interpretação desses dados observacionais”, disse Janet Stanford, pesquisadora em câncer de próstata no Fred Hutchison Cancer Research Center em Seattle, que não participou do estudo.

Os dados provêm de 31.925 participantes do estudo prospectivo Health Professionals Follow-up Study, acompanhados de 1992 a 2010. A média de idade dos homens em 1992 era de 59 anos.

Durante os 18 anos de acompanhamento, 3.839 homens tiveram diagnóstico de  câncer de próstata, dos quais 384 casos foram fatais.

Um questionário aplicado em 1992 solicitou aos participantes que informassem a média de sua frequência mensal de ejaculação em três fases de sua vida: dos 20 aos 29 anos, dos 40 aos 49 anos e no ano anterior.

Associação não significa causalidade

Depois de controlar os potenciais elementos de confusão para a análise multivariada, o risco relativo de câncer de próstata foi aproximadamente 20% menor entre os homens que ejacularam pelo menos 21 vezes por mês do que entre os homens que ejacularam quatro a sete vezes por mês. Entre aqueles com maior frequência de ejaculação, esta redução do risco foi observada nas três fases da vida avaliadas (tendência de P< 0,0001 em todas as fases).

Depois da apresentação inicial dos resultados na reunião da AUA, o estudo recebeu muita atenção da mídia, observou a Dra. Rider. Mas em parte do relatório a ênfase encontrava-se nos homens que ejacularam pelo menos 21 vezes por mês, ela explicou.

É fato que a redução do risco foi mais pronunciada entre aqueles com maior frequência de ejaculação do que entre aqueles com menor frequência, reconheceu ela. (Muito poucos homens informaram de zero a três ejaculações por mês, de modo que aqueles que referiram quatro a sete ejaculações por mês foram considerados como grupo de referência.)

Porém, houve uma redução significativa de 10% do risco relativo entre os homens que informaram oito a 12 ejaculações por mês no período entre 40 a 49 anos de idade, e de 20% entre os homens que relataram 13 a 20 ejaculações por mês dos 40 aos 49 anos.

man-doctor-140119

 

FONTE: Medscape Notícias e Perspectivas – Por Nick Mulcahy (18/04/16)

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Preencha o formulário abaixo e nossa equipe irá entrar em contato com você!